Explicamos recentemente sobre o LIGO, e em detalhes a teoria de Albert Einstein sobre as ondas gravitacionais. Se você não leu a matéria, deixamos o link aqui mesmo (vale a pena conferir).

Graças a essa teoria, sabemos que o espaço é como um ”tecido”, e que cada planeta, estrela, ou, buraco negro exerce um peso nesse ”tecido”, fazendo que a gravidade trabalhe.

Tudo isso aconteceu em uma quinta-feira (11 de fevereiro de 2016), onde os cientistas liberaram o projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) anunciando enfim que tinham feito a detecção de ondas gravitacionais, um misterioso fenômeno de século atrás que completa a teoria da relatividade.

Dois detectores do LIGO – um em Louisiana e outra no estado de Washington – registraram as distorções de espaço-tempo causadas por ondas gravitacionais que foram produzidos 1,3 bilhões de anos atrás, durante a fusão de dois buracos negros.

“Nós podemos ouvir as ondas gravitacionais. Podemos ouvir o universo,” Disse a colaboração do LIGO Gabriela Gonzalez, e professora de física e astronomia na Universidade Estadual de Louisiana, durante uma conferência de imprensa quinta-feira.

“Isso é uma das coisas mais bonitas [a detecção]”, acrescentou.

Então, quais os sons que as ondas gravitacionais fazem? A conversão original para ondas sonoras evoca a batida de um batimento cardíaco, enquanto uma versão ajustada projetado para acomodar melhor o alcance do ouvido humano poderia ser confundido com uma gota de água que cai em um balde.

Isso é apenas a nossa opinião, é claro. Gonzalez descreveu a versão como um “pequeno animal”. E você pode ouvir e tirar suas próprias conclusões, neste vídeo .

Confira o som das ondas gravitacionais

O projeto LIGO é liderado por cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia e do Instituto de Tecnologia de Massachussetts, e financiado por os EUA National Science Foundation.

Fonte