Tribo brasileira isolada é registrada por acaso.

Ricardo Stuckert possui 28 anos de experiência em fotografia, foram oito trabalhando para o governo brasileiro, e atualmente trabalha em um interessante projeto que busca as coincidências sobre os povos indígenas que vivem no Brasil.

Ricardo realizou um voo especial junto a José Carlos Meirelles, especialista em bosques, com o intuito de registrar fotos no estado do Acre e completaram sem problemas o proposto, porém, o que nunca esperavam era o que encontrariam por casualidade. A viagem originalmente iria até o povo de Caxinauá, que também se encontra no Acre, realizando assim uma sessão fotográfica para seu livro “Indígenas brasileiros”. O mal tempo os obrigou a atrasar a volta e alterar a rota, o que lhes permitiu descobrir uma civilização primitiva escondida no bosque.

“Depois da chuva, fomos e vimos algumas ocas. Estávamos sobrevoando muito rápido, mas vimos plantações e decidimos voltar, e assim encontramos a tribo e começamos a fotografar”, assegurou o fotógrafo ao site BBC. E como tudo era estranho para o povoado, responderam de forma agressiva lançando flechas para o helicóptero, os registros duraram pouco mais de sete minutos, tempo suficiente para que o fotografo conseguisse capturar essas imagens impressionantes.

É possível que a tribo seja correspondente ao grupo que se identifica como “indígenas de Maíta”, que vivem às margens do rio do mesmo nome e não superam a 300 pessoas. Meirelles assegurou que o grupo devia se tratar de um povo que se dedica à costura e que consome milho, banana, mandioca e batata.

Ricardo Stuckert tem um trabalho para que as fotografias motivem as pessoas a protegerem as tribos indígenas. Assegurou estar muito surpreso em ter conseguido capturar, pela primeira vez em sua carreira uma população isolada.

Confira a tribo brasileira isolada

Loading...